O lado generoso é genuíno. Cria de Irajá e Del Castilho, onde nasceu e encarou a maior parte da infância, Zeca jamais dilacerou as raízes enterradas no subúrbio. Da adolescência ao início da vida adulta, trabalhou como office boy, entregador de café, feirante, camelô, contínuo e anotador de jogo do bicho. A história é parecida com a de outros milhões. Por uma força qualquer, no entanto, tomou rumos improváveis.

No tablado, a ideia central do espetáculo teatral é se concentrar sobre a saga do tal homem comum que se manteve fiel a esse posto, apesar da fama. Diferentemente de outras produções biográficas, como “Elis — A musical” (2013) e “Tim Maia, vale tudo — O musical” (2011), a proposta é pincelar fatos curiosos da trajetória de Zeca para bordar uma fábula sobre um sujeito que se projetou ao mundo justamente por suas linhas tortas.

— Nossa busca é enaltecer a cultura suburbana através dele. O que mais chama atenção é a fidelidade ao mundo em que foi criado. Zeca é um cara que abriu possibilidades para vários, que surgiu do povo e se manteve igual. Ele conheceu champanhe e caviar, mas não deixou de derrubar cabrito e beber cerveja — exalta Gustavo Gasparani, autor e diretor do texto, além de intérprete do próprio bamba na fase pós-fama: — Mostramos o que Zeca significa para o país, até porque não tem como competir com o original. Somos pouco realistas. Tratamos o personagem como um herói suburbano.
o mesmo cômodo também estão Peter Brandão e Gustavo Gasparani, atores que darão vida ao ícone carioca no espetáculo “Zeca Pagodinho — Uma história de amor ao samba”, estreia desta semana no Teatro Net Rio, em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Diante da questão, alguém faz menção a um copo d’água. A resposta é motivo para um palavrão e gestos largos.

— Se quisesse água, era só ir lá no tsunami. Não quero água, e nunca quis. Tem tanta coisa para pedir! Lá em Xerém, quando alguém diz isso, eu falo que tem um riozinho no fundo do terreno — rebate o compositor e cantor de 58 anos, referindo-se ao sítio que mantém em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.